AS Notícias Online
HOME POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE GERAL EVENTOS EMPREGOS AGENDA VÍDEOS CONTATO
Boa madrugada - Itabira, segunda, 19 de novembro de 2018  

POLITÍCA
Confins já está licenciado para ser aeroporto-indústria
BH Airport começará em dezembro a captação de empresas para a zona de suspensão tributária; especialista diz que projeto fará de MG uma máqu 31/10/2018

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Aeroporto de Confins
Estrutura para receber as indústrias exportadoras em zona de suspensão de impostos está pronta há mais de quatro anos
PUBLICADO EM 31/10/18 - 03h00

A legislação para instalar o aeroporto-indústria em Minas Gerais já existe desde o começo dos anos 2000. A área, de aproximadamente 50 mil m², para abrigar as empresas também já está disponível há mais de dez anos. O prédio de R$ 18,8 milhões que vai abrigar o administrativo da Receita Federal foi inaugurado em 2014. Apesar de estar tudo pronto, ainda faltavam duas coisas: a Licença de Operação (LO) e as indústrias. A primeira foi concedida em julho deste ano e abriu caminho para a segunda parte: trazer as empresas. A BH Airport já começou a conversar com os interessados em produzir mercadorias voltadas para a exportação, pagando menos impostos. E confirmou que, a partir de dezembro, lançará a campanha oficial.

“Estamos em fase de conclusão do projeto da nova etapa do terminal logístico integrado, que vai oferecer uma série de novos serviços também conjugados ao aeroporto-indústria. Até o fim de novembro, apresentaremos todos os estudos de análise de viabilidade técnica para, a partir de dezembro, fazermos uma grande campanha sobre os benefícios do aeroporto-indústria para o desenvolvimento do Estado de Minas Gerais”, anuncia o presidente da BH Airport, Marcos Brandão.

O projeto de transformar Confins no primeiro entreposto aduaneiro do país, onde empresas terão isenção de impostos federais e estaduais para produzir mercadorias destinadas à exportação, começou a ser desenhado pelo governo do Estado em 2000. Em 2002, a Instrução Normativa 241, do governo federal, regulamentou o conceito.

Em 2006, o governo estadual editou um decreto para definir o regime tributário, dando isenção também do ICMS para empresas. Na época, algumas indústrias como a Clamper chegaram a participar de um projeto-piloto, que durou cerca de dois anos.

A partir de 2010, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que até meados de 2014 era a única administradora de Confins, tentou licitar as áreas para indústrias, mas não houve interessados. Em 2014, a BH Airport assumiu a concessão de Confins e, dois anos depois, recebeu oficialmente a tarefa de atrair as empresas. Mas precisou esperar pela LO, que só foi concedida há três meses e meio.

Na visão de Tânia Reis, CEO do grupo Serpa – especializado na internacionalização de empresas –, tirar o projeto do papel trará grandes avanços para a economia mineira. “Se realmente os benefícios fiscais federais e o estadual saírem, Minas será uma máquina de produzir recursos financeiros. Na hora de uma multinacional escolher onde vai investir no Brasil, o aeroporto-indústria será fundamental, pois a localização geográfica de Minas já é excelente para a logística, e mão de obra especializada o Estado também já tem”, destaca.

Conceito: Aeroporto-indústria é uma zona de suspensão tributária, ou seja, toda empresa instalada no local terá um regime de entreposto aduaneiro especial.

Público-alvo: Empresas que destinam produtos para o mercado externo.

Quais impostos estão incluídos: No âmbito federal, as empresas poderão ter isenção do Imposto de Importação, IPI vinculado à importação e de contribuições como PIS/Pasep e Cofins. No âmbito estadual, haverá isenção de ICMS para mercadorias exportadas.

Onde vai funcionar? Em uma área em frente ao aeroporto de Confins, de aproximadamente 50 mil m².

Minientrevista

Bruno Nepomuceno
Delegado da Alfândega da Receita Federal 


Do que se trata o regime especial de impostos do aeroporto-indústria?

Na verdade, não se trata de isenção, mas de suspensão dos tributos incidentes sobre a importação até a destinação definitiva dos produtos finais.

Qual a importância para o Estado?

Do ponto de vista logístico, é um ganho importante, já que permite a instalação de determinadas indústrias no sítio aeroportuário, favorecendo a agilidade dos processos de transporte e segurança das matérias-primas importadas para serem usadas na linha de produção. Na vertente econômica, fomenta a instalação de indústrias de alto valor agregado no entorno do aeroporto, que são aquelas que mais se beneficiam do transporte aéreo de matérias-primas e produtos finais. 

 


 

 

E-mail: contato@regionaldigital.com.br

REGIONAL DIGITAL 2018. Todos os Direitos Reservados.
REGIONAL DIGITAL
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE!
Desenvolvedor: SITE OURO