AS Notícias Online
HOME POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE GERAL EVENTOS EMPREGOS AGENDA VÍDEOS CONTATO
Boa madrugada - Itabira, terça, 16 de outubro de 2018  

ESPORTE
Estatísticas da CBV causam estranheza e mais atrapalham do que ajudam
Levantadores do 'time dos sonhos' são reservas das suas equipes; informações oficiais mostram-se imprecisas, distanciando público e imprensa 10/05/2018

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
CBV
Superliga Masculina de vôlei chegou ao seu final e definiu seus premiados
PUBLICADO EM 10/05/18 - 08h17

Não bastando não disponibilizar dados suficientes, em tempo real, para quem acompanha os jogos da Superliga pela internet, a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) consegue fornecer informações que geram estranheza para quem conhece o mínimo de vôlei. Ao final da atual temporada, a posição de alguns jogadores no ranking é, no mínimo, curiosa. Como explicar que o central reserva do Sada Cruzeiro, Robert, tenha ficado em primeiro lugar entre os jogadores com maior média de bloqueios por set? A liderança do jogador, que ficou poucos minutos em quadra durante todas as 31 partidas do time na Superliga, se estendeu por várias rodadas até a grande decisão. Na premiação final, o central Maurício Souza, do Sesc-RJ, levou como melhor bloqueador. Uma breve consulta ao site aponta o argentino Solé, do Taubaté, como primeiro colocado desta lista. 

Outro critério que ainda não entendo bem é sobre o melhor sacador. Claro que Simón foi o melhor no ranking, mas ele é avaliado somente em número de aces e não na sua eficiência em si. Um jogador que cansou de quebrar passes no saque não é reconhecido 'somente' pelo fato de que não conseguiu pontuar ao colocar bolas em jogo. Pra fechar, o time dos sonhos apontado no site tem o levantador reserva (?) do Minas, Carísio, como titular na equipe. O levantador reserva do chamado 'time do sonho' é Cachopa, também reserva no Sada Cruzeiro. Gostaria, de verdade, de tentar entender os argumentos que os colocam em destaque. O talento destes atletas é inegável, mas sua participação na Superliga foi bem menor do que dos titulares. 

O mesmo aconteceu com o líbero da equipe indicada, com a presença de Matheus Bonora, do Campinas. O jogador, no entanto, é levantador (???). O titular do time do interior paulista durante toda a competição foi o argentino Santucci. Fico mais tranquilo ao perceber que o incômodo não é só comigo. Alguns clubes preferem ignorar os dados e usar suas próprias informações do que confiar nos dados da entidade oficial do esporte. 

Se quiserem, tem mais. O melhor líbero do campeonato foi Thiago Brendle, do Sesc-RJ. Entre os jogadores de melhor recepção, ele não aparece nem entre os cinco melhores. Pra fechar a conta, as estatísticas dos levantadores simplesmente não existe!

Além disso, durante os jogos, os dados fornecidos sempre mais atrapalhavam do que ajudavam, com os sobrenomes dos atletas aparecendo na tela, ao invés do apelido ou primeiro nome pelo qual eles são conhecidos por todos. Sabemos bem que nem só especialistas acessam o site. Como exigir que eles saibam quem é W. Souza, L. Sene, E. Guerra e L. Fonteles? Se até para quem acompanha é complicado, imagina para navegantes de primeira viagem?

Já fiz esta comparação há mais tempo e sigo batendo na mesma tecla. Para quem se depara com as informações que a Liga Nacional de Basquete disponibiliza durante o Novo Basquete Brasil (NBB), a diferença é de cair o queixo. Se um dia tivermos, no vôlei, 50% do que a parte de comunicação do torneio nacional de basquete faz, já será suficiente. Mas vejo este como um longo caminho até chegarmos em uma patamar de satisfação.

Há muitos anos que a CBV tenta disponibilizar dados de diferentes formas e plataformas, sempre conseguindo mais complicar e causar estranheza do que facilitar o trabalho de quem cobre o vôlei diariamente ou de quem apenas quer saber informações confiáveis e precisas.

Mesmo que de forma inocente, sigo na esperança da CBV se atentar para a importância de dados precisos e de qualidade para mostrar uma maior preocupação com seus torcedores e profissionais de várias áreas. Muitas vezes temos no site da entidade a única forma de ter acesso às informações oficiais do campeonato. A frustração é recorrente quando elas não atendem às expectativas, que não costumam ser tão altas assim. 

 


 

 

E-mail: contato@regionaldigital.com.br

REGIONAL DIGITAL 2018. Todos os Direitos Reservados.
REGIONAL DIGITAL
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE!
Desenvolvedor: SITE OURO